Terça-feira, 5 de Setembro de 2006
Março 2006 - Entrevista com Sofia Alves

Sofia Alves esteve, no início do mês de Fevereiro, em Coimbra para apresentar a peça “Socorro! Estou grávida!”. A actriz de 29 anos é conhecida do grande público sobretudo pelos seus desempenhos nas telenovelas “O Teu Olhar”, e “Jóia de África”, mas já participou também nos filmes “Party”, “A Caixa” e “Vale Abraão” de Manoel de Oliveira. Recorde-se que Sofia Alves começou pelo cinema, depois passou para as novelas, para de seguida chegar ao teatro. Assim, e no que diz respeito a esta peça, que a actriz veio apresentar no Teatro Académico Gil Vicente, trata-se de um monólogo, que representa mais uma prova de fogo na sua carreira. É uma peça escrita propositadamente para Sofia Alves onde é abordada a temática do aborto.

 Como é que começou a sua carreira de actriz?

 Aos 17 anos comecei a trabalhar com o Manoel de Oliveira e a partir desse momento descobri que queria ser actriz.

 Sentiu alguma dificuldade no início?

 Como qualquer pessoa, é evidente que as dificuldades iniciais são sempre superadas quando se tem por perto grandes actores, técnicos e realizadores. Foi assim, aconteceu comigo.

  Há alguma actriz que seja um modelo para si?

 Existem vários, a Eunice Munõz, o Armando Cortês, o Raul Solnado e Manuela Maria foram e serão sempre as minhas referências.

 Já passou pelo cinema, pelas telenovelas e pelo teatro. O que é que lhe falta fazer?

 Um actor está em constante evolução,

estamos sempre em constante aprendizagem, por isso espero ainda vir a realizar muitos projectos tanto no teatro como em televisão que me façam crescer como actriz e pessoa.

 Qual é a sua grande paixão?

 Sou uma pessoa apaixonada pela vida. As minhas maiores paixões são o meu filho, a minha família e a minha profissão.

  Ao longo do seu percurso, como actriz, há algum momento que considere inesquecível?

 O prémio de personalidade feminina no teatro (melhor actriz em 2005) com a peça “Socorro! Estou grávida!” - encenada por Celso Cleto e escrita pela Inês Pedrosa e Patrícia Reis foi um ponto alto, assim como todos os momentos foram e continuam a ser inesquecíveis, tive sempre a sorte de trabalhar com excelentes profissionais que me ensinaram muito e que eu admiro muito.

 Qual é que foi o maior papel da sua vida?

 O que está para vir!

 Na peça “Socorro! Estou grávida!” Apresenta-se sozinha em palco. Este monólogo é um grande desafio para si?

 É um grande desafio ao qual me propus. É um Whoman Show de uma hora e 45 minutos e é um “presente” para qualquer actriz. É uma reflexão sobre temas polémicos e actuais, onde se fala abertamente e sem preconceitos de assuntos como gravidez, sexo, aborto e relações homem/mulher.

 A temática abordada nesta peça (o aborto) tem sido bem recebida pela generalidade do público?

 Sim, porque nesta peça não são tomadas posições, simplesmente se convida o público a uma reflexão sobre um tema que é muito real na nossa sociedade e que afecta muitas mulheres. É uma peça hilariante mas muito séria, um tema que promete não

 deixar ninguém indiferente.

 Quais são os seus planos para 2006? Para além de continuar a apresentar a peça “Socorro! Estou grávida!”, Tem novos projectos em vista?

 Em teatro a Edda Gabler - Ibsen, no final deste ano.

 Em televisão, a próxima novela da TVI, “Fala-me de Amor”, que estreia este mês e o curso de representação para jovens, adolescentes e adultos no Auditório Municipal Ruy de Carvalho em Carnaxide.

 Como é a Sofia Alves fora dos palcos?

  É uma mulher normal, que gosta de ler, viajar, estar com a família e os amigos.

 Que conselhos daria a um jovem que tem o sonho de representar?

 Quais são os desafios para os quais deve estar preparado?

 Acima de tudo é preciso muita perseverança, força de vontade, depois a formação também é muito importante, frequentar workshops, e acima de tudo muito empenho e dedicação, é o essencial. Nada se faz sem humildade, e sem ela um actor nunca poderá chegar mais longe. Este é o meu grande conselho.



publicado por jornalpretonobranco às 16:51
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|

Janeiro 2006 - Entrevista com David Fonseca

O Teatro Académico de Gil Vicente recebeu, no dia seis de Dezembro, o músico David Fonseca, que se deslocou à cidade dos estudantes para apresentar o seu novo álbum “Our Hearts Will Beat As One”. Um disco que foi editado a 24 de Outubro de 2005, e entrou na semana seguinte para o primeiro lugar de vendas de discos em Portugal.

Recorde-se que David Fonseca ficou conhecido pelo estrondoso sucesso da sua antiga banda. Os Silence 4, primeiro com “Silence Becomes It”, venderam mais de 240 mil unidades, e, depois com “Only Pain Is Real”, mais de 100 mil exemplares.

Estes primeiros concertos, que deram início à digressão, marcam não só a edição de “Our Hearts Will Beat As One”, como lançam o novo espectáculo, que conta com uma apresentação cénica única e bastante cuidada.

Em palco, David Fonseca é acompanhado por Ricardo Fiel (guitarra), Nuno Simões (baixo), Sérgio Nascimento (bateria), Paulo Pereira (teclado e sintetizadores) e Rita (piano).

No final do concerto, após uma demorada sessão de autógrafos e fotografias com os fãs, David Fonseca conversou com o Preto no Branco.

 O que é que achas-te dos primeiros concertos, que marcaram o início da tua digressão?

 O primeiro (aconteceu no Centro Cultural Olga Cadaval, em Sintra, no dia 11 de Novembro), é sempre o mais problemático, estamos com os nervos à flor da pele, mas correu muito bem. Tivemos uma recepção muito entusiástica, e para começar não há melhor. Foi um bom empurrão.

Aqui em Coimbra, acho que também correu muito bem, o público esteve muito receptivo. Foi um espectáculo muito divertido.

 Porque é que consideras estes concertos de apresentação do disco “Our Hearts Will Beat As One” como algo novo para ti?

 Porque existe uma maior preocupação com a concepção cénica.

 Quais é que são as grandes diferenças entre o teu primeiro disco a solo, “Sing Me Something New” e este que estás a a apresentar?

 Para além das diferenças estéticas, este disco vale pelo todo. É um disco pensado para ser um disco.

Estas canções são as melhores que eu já fiz.

  Qual é a tua fonte de inspiração?

 Esse conceito é relativo. Eu tento que as músicas tratem momentos marcantes da minha vida. É muito pessoal, está relacionado com momentos específicos da vida.

 Tocar para uma sala cheia e o processo de criação...

 São duas coisas diferentes, mas ambas trazem o seu grau de angústia. Escrever é um processo difícil, mas que me dá muito prazer. Quando toco ao vivo é tudo muito rápido, não dá para voltar a trás... São indissociáveis, uma tarefa leva à outra.

 Uma das canções  do teu novo disco é cantada em português, “Adeus/Não Afastes Os Teus Olhos Dos Meus”. Como é que surgiu?

 Surgiu em português porque tinha de ser dessa forma, e não contrariei. Não é um dado para o futuro.

  Que motivos é que te levaram a aceitar participar no projecto “Humanos”?

 As pessoas envolvidas atraíram-me imediatamente, já que se tratavam de músicos que eu admiro. E também o facto do projecto reunir estes músicos à volta de um músico que eu admirava.

Foi das coisas que eu mais gostei de fazer nos últimos anos, à parte da minha carreira pessoal.

 Um momento memorável da tua carreira...

 Há muitos. Eu ligo-me principalmente a momentos de descoberta de novas coisa que possa fazer. E acredito que este disco possa ser um ponto alto da minha carreira.

 Quais são as coisas boas e más do teu trabalho?

 As boas, fazer o que gosto. Estar envolvido na área criativa, que é o que sempre quis fazer. As más, têm a ver com o facto de sobrar pouco tempo para ter uma vida mais pessoal. Mas lá se vai equilibrando uma coisa com  a outra.

 Se não estivesses a trabalhar como é que passarias o tempo?

 Eu era incapaz de não trabalhar, tenho muita energia. Mas, nos tempos livres vejo cinema, estou com os amigos, com a família e dedico-me à fotografia, que é o meu hobby favorito.



publicado por jornalpretonobranco às 16:32
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Setembro 2007
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


posts recentes

Droga - Grande Tráfico

“É preciso rapidamente ap...

Soure sem casos de corrup...

Autarquia de Soure está e...

10 anos de rock

Destaques da edição de Ou...

Entrevista com Manuel Luí...

Preto no Branco - Um jorn...

Soure em festa

Destaques da edição de Se...

arquivos

Setembro 2007

Julho 2007

Maio 2007

Outubro 2006

Setembro 2006

Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds